Este é Hugo Ernano que recebe 16 euros de ordenado da GNR! Isto está a revoltar Portugal!

Este é Hugo Ernano que recebe 16 euros de ordenado da GNR! Isto está a revoltar Portugal!

18 Agosto, 2016 4 Por admin29

Este artigo relata aquilo pelo qual está a passar um GNR português, que após actuar de forma a preservar o bem estar da população e no parecer da grande maioria das pessoas, de forma correcta, ficou com a vida arruinada.

Este é o estado da nossa justiça, em que os criminosos têm mais privilégios e pelo que parece o que está a dar é cometer crimes que ainda recebemos indemnizações!

Conhece esta comovente história e dá-nos a tua opinião!

Quando tentava parar uma Ford Transit na qual seguia um grupo de assaltantes em Santo Antão do Tojal, Hugo Ernano decidiu apontar para os pneus de veículo, o qual já tinha desobedecido à ordem de paragem, já tinha tentado abalroar o jipe da GNR e deslocava-se a alta velocidade pelas estreitas ruas da localidade no concelho de Loures, podendo provocar um grave acidente.

A decisão que pareceu correcta ao agente, e que parece correcta aos olhos de 99,9% da população portuguesa, custou “a vida” a este militar.

Ao disparar para um dos pneus da carrinha, um solavanco fez com que a arma disparasse um segundo tiro acidentalmente, que levou uma direcção inesperada. Ainda assim, o militar desconhecia por completo que na caixa da carrinha seguia uma criança escondida, levada pelo próprio pai, um foragido da cadeia, para participar do assalto. O rapaz de 13 anos foi atingido e não sobreviveu.

Em 2013 Hugo Ernano foi condenado pelo Tribunal de Loures a nove anos de cadeia e a pagar uma indemnização de 80.000 euros aos pais da criança, parte da qual ao pai que tinha colocado o menor em risco ao levá-lo para aquela situação. Parece mentira mas é verdade…

Após recurso da defesa, o Tribunal da Relação de Lisboa reduziu a pena para 4 anos de pena suspensa, e o valor da indemnização a pagar por Hugo Ernano – parte da qual a um criminoso com um largo currículo – para 45.000 euros. O Supremo Tribunal de Justiça achou por bem manter a pena suspensa, mas aumentou o valor da indemnização para 50.000 euros. Parece mentira mas é verdade.

Resta agora ao militar recorrer para o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, na esperança que justiça seja feita, já que em Portugal todos os recursos foram esgotados.

A condenação do militar contrasta com a opinião pública e a onda de solidariedade que este caso despoletou. Inúmeras angariações de fundos foram feitas para ajudar o militar a sobreviver e a pagar a indemnização aos pais do rapaz. Um livro lançado recentemente também tem como finalidade ajudar a suportar as custas da justiça. Mas isso não chega!

O ex-ministro da Administração Interna, Rui Pereira escreveu no prefácio do livro “esta condenação – por homicídio com negligência grosseira, tem um forte travo de injustiça…as decisões judiciais são, em geral, justas. O que falta, por vezes, é a percepção das condições em que se desenrola a acção da polícia…que polícias queremos?”, dando mesmo o exemplo do “Guarda-Geleia”, um personagem interpretado por Jô Soares que tinha medo de tudo e que não defendia os cidadãos.

Desde o fatídico dia 11 de Agosto de 2008, Hugo Ernano e a sua família já mudaram de casa inúmeras vezes, a sua cabeça já esteve e ainda estará “a prémio” por 30.000 euros – quem sabe pagos com o dinheiro da indemnização e ainda sobra – pelo que teve de apresentar queixa na polícia.

Às acusações de racismo ele respondeu de forma clara que “nem eu nem os meus colegas escolhemos os indivíduos, são eles que nos escolhem a nós quando escolhem levar essa vida”. Todo o caso já o levou a ter de pedir ajuda psicológica. “Não dormia, sentia um cansaço psicológico tremendo como se fosse rebentar por dentro”. Dentro da instituição militar o processo disciplinar continua a decorrer mas permite que o militar se mantenha no activo, mas sem hipóteses de ser promovido, e pasme-se, com ordenados na ordem dos 100 euros, este mês então…16 euros!

O dia 11 de Agosto de 2008 vai ficar marcado para sempre na vida deste militar que estava apenas a cumprir o seu dever, mas também nas vidas de todos nós, pois fica assim bem patente que o crime compensa, se for repetido ainda melhor, e se podermos levar um menor a acompanhar, é a cereja em cima do bolo.

Muitos de nós não temos possibilidades de ajudar o Hugo Ernano da forma que gostaríamos, mas ao partilhar e ao não deixarmos este caso cair no esquecimento, estamos a fazer ver a quem de direito que a opinião pública também conta, e que este caso devia ser revisto nem que fosse por referendo! Hoje por ele, amanhã por ti. PARTILHA!

Partilhar:

Relacionados: