“Acordem Pais! Acordem enquanto ainda há tempo…”

“Acordem Pais! Acordem enquanto ainda há tempo…”

25 Julho, 2016 0 Por admin29

Era uma quarta-feira, 8:00 horas. Cheguei a tempo à escola do meu filho.

– “Não se esqueçam de vir à reunião de amanhã, é obrigatória!” Foi o que a professora disse no dia anterior.

– O que é que essa professora pensa?! Ela acha que podemos dispor facilmente do tempo como ela quer?

A reunião na empresa, às 8:30h, era muito importante para mim! Dela dependia uma boa negociação e… 

acorda pai

Eu tive que cancelá-la!

No auditório da escola, lá estávamos nós, mães e pais, mais a professora.

Assim que a reunião teve início, a professora agradeceu a nossa presença e começou a falar.

Não lembro nem o que ela dizia, pois a minha mente estava articulando uma estratégia para resolver o negócio da empresa que, no momento, era mais importante.

Já me imaginava comprando aquela televisão nova, com o dinheiro.

– João Rodrigues! – escutei ao longe.

– Não há nenhum responsável do aluno João? – perguntou a professora.

– Sim, eu estou aqui! – contestei, indo ao seu encontro para receber o boletim escolar do meu filho.

Voltei pro meu lugar e ao abrir o boletim, pensei….

“Foi prá isso que eu vim à reunião? O que é isso?” O boletim estava cheio de notas seis e sete.

Guardei-o, rapidamente, para que ninguém pudesse ver como tinha se saído o meu filho.

Voltando para casa, eu só sentia a minha raiva aumentar e, ao mesmo tempo, questionava-me: “Mas, se eu dou tudo prá ele. Não tem faltando nada! Qual a razão destas notas regulares? Ah, mas agora ele vai ver!”

Cheguei e, ao entrar em casa, bati a porta e o chamei em tom alto e rígido:

– Vem aqui, João!

João estava no quintal e correu para me abraçar, como sempre fazia, quando eu chegava do trabalho.

– Papai!

– Nada de papai! Gritei, o afastando de mim.

Tirei o meu cinto e não lembro quantas vezes o bati, ao mesmo tempo, em que falava o que pensava dele.

Sem dar chances a suas explicações, eu gritei:

– Agora vai para o seu quarto! E só saia quando eu mandar!

João me obedeceu e foi chorando para o quarto. Sua face estava vermelha e a sua boca tremia.

Minha esposa não falou nada, mas mexeu a cabeça num gesto de negação e foi para a cozinha.

Quando fui para cama, já mais tranquilo, minha esposa me entregou o boletim do João, que tinha esquecido dentro do meu casaco e me disse:

– Você, ao menos, leu com atenção o Boletim do nosso filho? Leia devagar e depois reflicta sobre a sua atitude com ele.

Eu peguei o Boletim e comecei a ler e, foi aí, que percebi que no começo estava escrito:

BOLETIM DO PAPAI. E continuei a ler…

Pelo tempo que teu pai se dedica a conversar contigo antes de dormir: 6,0;

Pelo tempo que teu pai se dedica a brincar contigo: 6,0;

Pelo tempo que teu pai se dedica para te ajudar com as tarefas escolares: 6,0;

Pelo tempo que teu pai se dedica para te levar a passeios com a família: 7,0;

Pelo tempo que teu pai se dedica a ler um livro, para você, antes de dormir: 6,0;

Pelo tempo que teu pai se dedica para te abraçar e te beijar: 6,0;

Pelo tempo que teu pai se dedica para assistir televisão contigo: 7,0;

Pelo tempo que teu pai se dedica a escutar tuas dúvidas ou problemas: 6,0;

Pelo tempo que teu pai se dedica a te ensinar algumas coisas: 7,0.

Média Final: 6,22.

Os alunos, na verdade, tinham avaliado os seus pais. O meu filho deu notas entre 6,0 e 7,0 para mim, mas eu – sinceramente – merecia 5,0 ou menos.

Arrependido, me levantei e corri para o quarto do João. Ele estava dormindo, quando o abracei e chorei. Queria poder voltar no tempo… mas isso não era possível.

João, surpreso, ainda com os olhos inchados pelas lágrimas, sorriu, me abraçou e disse:

– Eu te amo, papai! Fechou os olhos e voltou a dormir.

Acorde, pai! Aprenda a dar o valor ao seu filho! O seu carinho, a sua atenção, paciência e compreensão vai influenciar na vida dele, no seu sucesso ou fracasso como adulto, no futuro próximo.

Não esqueça que ele não é o único a ser avaliado. Você também é qualificado de acordo com a análise dele, enquanto pai, responsável e, muitas vezes, como seu herói.

Já pensou qual seria a ‘nota’ que seu filho daria para você, hoje?

Partilhar:

Relacionados: